sábado, 9 de fevereiro de 2008

Pacto de leitura

Os mais recentes acontecimentos que me vieram enevoar a vida obrigaram-me a pensar audibile a essência deste blogue.

O Rabiscos e Garatujas é um blogue semi-anónimo lido por dois grandes tipos de leitor@s: um grupo ínfimo que conhece a autora empírica e com quem partilha laços de amizade transparente; um grupo alargado que vislumbra, apenas, a autora textual, a Denise. Não revelarei se a onomástica autoral coincide nos campos intra e extra-textuais. Adiantarei apenas que, em termos ontológicos, as entidades são e não são coicidentes. Momentos textualmente reais que reconfiguram momentos empiricamente surreais.
O Rabiscos e Garatujas é um espaço de autoficção, onde convergem identidade e semelhança, matiz ficcional e auto-referencial. Um espaço simultaneamente mimético e diegético. Recuperando a definição de Doubrovsky, Fiction, d’évènements et de faits strictement réels. Há, outra, de Genette: C’est moi et ce n’est pas moi . E colocava a situação do seguinte modo: Moi, auteur, je vais vous raconter une histoire dont je suis le héros mais qui ne m’est jamais arrivée. Para o conceito de autoficção, Genette sugeriu uma fórmula interessantíssima: Autor≠Narrador=Personagem=Autor.
O Rabiscos e Garatujas é um trompe-l’oeil aberto à impossibilidade de se estabelecer uma verdade única e definitiva.
O Rabiscos e Garatujas equilibra-se na doce ambiguide do diz e do desdiz e, na abertura à multiplicidade hermenêutica, convida à leitura dialogante.
No Rabiscos e Garatujas explora-se a potencialidade do discurso irónico que Hamon define como um discours double qui peut être reçu de deux façons différentes par deux parties différentes du public.
Assim, sendo, quem é afinal a Denise? Qual, afinal, o cosmos de que fala?

4 comentários:

Paulo disse...

Doubrovsky, Lejeune, Genette... isto fez-me regredir, sorrir e confirmar que gosto destes pactos, definições e vidas autoficcionadas. Afinal, somos todos autoficções e a nossa escrita é um sintoma disso, um trompe-l’oeil de que os mais incautos não se apercebem. Ontologia pura, pois então.

Denise disse...

E o teu comentário fez-me regredir, sorrir e sentir saudades dos seminários da PM contigo,a Inês, a Sofia, a Claúdia... Saudades

Paulo disse...

e o teu post? achas que não teve o mesmo efeito?

A Mesa de Luz disse...

Fora de rabiscos, nunca gostei tanto de ler um "about me". e obrigada pela leitura obrigatória.
Ana