sexta-feira, 23 de maio de 2008

Parabéns, TUlinho

É uma amizade relativamente recente, esta com o meu TUlinho. Foi meu colega no seminário de Ensino da Literatura. Eu a iniciar o doutoramento, ele a sair do estágio e a entrar directamente no curso de mestrado. Ele de perto do Porto, eu dos Algarves. Conhecemo-nos no centro, em Lisboa. A unir-nos, o gosto pelas palavras e pelas reinvenções. Eu sentava-me aqui e ali. Era hábito aproveitar o raio de sol que passava pela frincha da janela. Acomodava-me ao calor. Ele sentava-se na ponta, ao lado da Carla e ficava caladinho. Sorria. Também me lembro. Nos intervalos quase nunca nos cruzávamos. Eu desaparecia nos corredores da FLUL, muitas das vezes raptada pela Conceição, que assistia ao seminário por pura carolice. E ele ia lá à vida dele. Eu com a Ironia e os contistas portugueses contemporâneos debaixo do braço, ele lá de volta da literatura africana de expressão portuguesa.
O TUlinho é tímido. E, embora disfarce com mestria, eu também sou. Talvez por isso só nos tenhamos entregue a palavras mais alongadas já no fim do semestre. A pretexto da Lídia Jorge. Ele gostara do meu trabalho sobre o conto «Miss Beijo» e fizera questão de o dizer. Eu falhara a sua apresentação sobre «O Belo Adormecido» que ele muito gentilmente se prontificou a partilhar por e-mail. E pronto, deu-se um clique simpático. E ele começou a falar e a falar e a falar e eu, toda contente, a gostar de o ouvir.
Com o Rabiscos e Garatujas e o seu Tulisses, sobre o qual eu já escrevera aqui, mais umas pitadas cúmplices no messenger e umas visitas fugazes ao Hi5, o T. e eu descobrimo-nos um pouco mais. E eu tenho gostado do que tenho vindo a descobrir. O T. escreve bem, é calmo e gentil, minucioso, organizado e atencioso. Gosto da forma como ele constrói pontes entre os mundos empírico e literário. Gosto do seu sorriso, simultaneamente traquina e envergonhado.
O T. é mais novo do que eu. O suficiente para, apesar de o saber já homem, olhá-lo como menino.
Desculpa, T. É assim mesmo. Menino.
E muitos parabéns pelos 25 aninhos.
(... com bolo mármore e cerejas, que eu sei!)

7 comentários:

tulisses disse...

bem, por onde começar? primeiro por agradecer, parece que fica bem. o telefonema, o post, as palavras de ontem e de hoje, escritas aqui, no msn, um pouco por todo o lado. lembro-me daquela rapariga (para mim eras da minha idade) que se sentava ao fundo, quando vinha aos seminários. eu, por causa da minha miopia, preferia ficar mais perto do quadro, com a Carla ao lado, pois então (é que a seguir tinhamos ainda mais quatro horas - quer dizer, supostamente, porque aquilo acabava sempre mais cedo - de diálogos pós-coloniais...). Das novas colegas nenhuma seduziu ao início, excepto tu por seres do doutoramento (=génio)e misteriosa (=ausente, talvez) e a Conceição. Curiosamente com a Conceição, com quem cheguei a falar muito, perdi o contacto... enfim. E foi com a mais desaparecida que desenvolvi amizade. Curiosos os caminhos...
Depois, talvez seja melhor não falar em literaturas africanas de expressão portuguesa. Muita gente usa mas acho mais correcta, agora, literaturas africanas de língua portuguesa. só porque implica o deslocamento ideológico que convém demarcar...
tímido, sim. calmo e gentil também. Minucioso depende... organizado já fui mais, parece-me, mas também. Atencioso tento ser. Sou uma pérola, sem dúvida. E ainda por cima com a mania que escreve. Mas é bom saber que algumas coisas que mostro têm boas recepções.
por fim, e tentando seguir o teu texto (é a organização mais correcta, talvez), agradeço que me vejas como um menino. É assim que me vejo, ainda, apesar da calvície precoce e dos 25 anos. um menino um pouco tolinho, com as suas peculiaridades... E deste menino que se calhar tenta procrastinar um pouco a vida adulta fizeste um retrato bastante justo. Parece-me, mas quem sou eu para me julgar se me assino aqui e além como Tulisses? Ou, como preferes, TUlinho?

Obrigado pelas palavras e por leres este comentário que deve estar já enorme. E provavelmente com gralhas e erros de sintaxe, mas são uma e tal da manhã e estou a cair de sono. Mas tinha de agradecer.
bjs

tia adoptada disse...

na descrição que fez de mim a Deni esqueceu-se de referir a minha tendência para chegar atrasada...
parabéns, Tu :-)
eu pensara que o Tulisses era um trocadilho com o ulisses...
Tulisses, reparou que eu apresentei à Deni uma senhora que se dedica a editar obras de escritores africanos que usam como língua uma das vairiantes de «neo-português»? (prefiro usar esta designação, sobretudo agora que o novo acordo ortográfico ignorou tão vergonhosamente o neo-português africano). Se estiver interessado, posso arranjar-lhe alguns exemplares (como oferta).
Ah, e Parabéns!

tulisses disse...

Obrigado, Tia Adoptada. Tulisses é um trocadilho com ulisses, mas também com tolices... ou com o que quer que seja. Uma senhora que publica escritores africanos? parece-me muito bem. Essa do «neo-português» não sabia - sempre a aprender, mas quem sou eu... E ahradeço também as ofertas, claro!

tia adoptada disse...

o neo-português é invenção minha
quanto ao tulisses, era isso que eu queria dizer, um trocadinho do ulisses com as tolices :-)
vou contactar a Deni, para saber como lhe fazer chegar os livros.
cumprimentos aqui da cota :-)))

Denise disse...

TUlinho,
1. Eu, a seduzir-te por ser (=génio) e misteriosa (=ausente, talvez). Ahahah. Nunca tal me passara pela cabeça. Génio e misteriosa! :))))
Mas deixa-me agradecer-te o facto de teres achado que moi teria aproximadamente a tua idade! Bonitos olhos os teus!
2. Falei de Lit. Africanas de Expressão Portuguesa por ser essa a terminologia utilizada nos programas escolares. Lanço-te o desafio de postares um esclarecimento sobre estas questões de terminoligia no teu Tulisses. Aceitas o repto?

Tia, depois combino contigo a entraga dos exemplares, antes de partir para Lisboa, sim?

TUlinho,
Calvice precoce? Acreditas que nem me apercebi?! :P

tia adoptada disse...

It's a deal!
Ok, d'ac!
ya!
Tamos nessa!
:-)
Por acaso, acabo de receber mais uma encomenda, mas sá amanhã é que posso levantar.

tulisses disse...

Bem, tenho andado ausente, sem net e sem tempo e com trabalho (não fui feito para trabalhar... mas até estão a correr bem as visitas na exposição) e idas à feira do livro... mas aqui na biblioteca arranja-se sempre tempo!

Aceito o repto, com certeza. Me aguarde, que lá explicarei melhor a terminologia.
bjs